Biografia Black Alien

Gustavo de Almeida Ribeiro (São Gonçalo7 de junho de 1972), mais conhecido pelo seu nome artístico Black Alien, é um rappercantor e compositor brasileiro
 
Black Alien subiu em um palco pela primeira vez em 1993, e desde então desenvolve uma trajetória de participações com artistas como Os Paralamas do SucessoCharlie Brown Jr.Fernanda AbreuRaimundosBanda Black RioMarcelinho da LuaSabotage, entre outros. Integrou o Planet Hemp, grupo do qual também fazia parte Marcelo D2, e fundou o grupo Reggae B, em parceria com o baixista Bi Ribeiro, dos Paralamas do Sucesso.
 
 Black Alien lançou seu primeiro álbum solo em 2004Babylon by Gus – Vol. 1: O Ano do Macaco. O título do álbum é uma referência ao disco Babylon by Bus de Bob Marley. Em 2006, uma versão remixada de sua conhecida “Quem Que Caguetou” foi trazida pelo DJ Fatboy Slim em seu álbum Fala aí!
 
Em 2007, o diretor de cinema Ton Gadioli começa a rodar o documentário Mr. Niterói – A Lírica Bereta, sobre sua vida, mesmo ano em que Black Alien raspou seus dreadlocks, numa mudança de visual inesperada.
 

Reconhecimento: Planet Hemp

 
Em 1996BNegão saiu do Planet Hemp para assumir a banda Funk Fuckers e não havia de imediato quem soubesse as letras e pudesse excursionar com a banda já cantando, sem precisar de ensaios. Bernardo pensou no Gustavo, conversou com o Marcelo D2, e assim Gustavo entrou para o Planet Hemp no meio da turnê do álbum Usuário.
 
Na mesma turnê Black Alien fez uma homenagem aos irmãos independence boys os quais foram de suma importância para formação de sua carreira, conhecidos por proporcionar ao artista grandes eventos e grandes oportunidades. Paralelo ao Planet Hemp, Gustavo manteve um projeto junto com o DJ Rodriguez intitulado Black Alien, grupo formado por DJ Rodriguez nos scratchs, Gustavo no vocal, além de violoncelo e percussão.
 
 O projeto durou cerca de um ano e chegou a tocar em shows para cerca de 2 a 5 mil pessoas. Após o término do grupo, Gustavo pediu para o DJ Rodriguez para adotar definitivamente o nome Black Alien. 
 
Após alcançar a fama nacional e ter seus versos cantados por toda uma geração de jovens, ele decide em 2001, deixar o Planet Hemp. Apesar de sua saída mesmo sem fazer parte da banda, tem suas rimas cantadas pelo público na gravação do disco MTV ao Vivo: Planet Hemp.
 

Outras Realizações e curiosidades

 
  • Antes de assumir o nome Black Alien, Gustavo assinava como Bulletproof por uma ocasião em que fugiu de um tiroteio.
  • Black Alien era o nome do ´selo´ criado pelo DJ Rodriguez.
  • Foi encontrado no porta-luva do carro batido de Chico Science a fita demo do Speed Freaks, grupo do qual faziam parte Speed Freaks, Black Alien e DJ Rodriguez.
  • A música Quem Caguetou tocou antes da exibição do filme Kill Bill durante todo o tempo em cartaz na Europa.
  • Black Alien gravou a música “Stileira“, produção de Marcos Cunha, para o filme “Fabio Fabuloso“, de Ricardo Bocão.
  • Black Alien gravou a música “Tudo o que tu quer“, produção de Plínio Profeta, para o filme “Feliz Natal“, de Selton Mello.
  • Em 2006 Black Alien compôs a música “Coração do meu mundo” para o tema da personagem principal da novela Bang Bang da Rede Globo de Televisão.
  • O diretor Ricardo Waddington inseriu a música “Real Gold” na trilha da novela Malhação, única música em inglês a compor o disco nacional da novela.
  • A músicas “Como eu Te quero” e “Pericia na Delicia” entrar para a trilha do seriado Mandrake da HBO.
  • Em 2011, a música “Quem Que Caguetou” entra para a trilha do filme Velozes e Furiosos 5.
  • Gustavo Ribeiro também é conhecido como Black Alien, Mr. Niteroi, Mista Black, Chumbinho, Caspa do Diabo, Bullet Proof, O filho Pródigo, Lírica Bereta, Lírica Glock, Gustavinho e Gus.
  • A música-tema da websérie-animada “Juninho Play e Família” é cantada por Black Alien, composta por Samantha Schmütz e Black Alien e produzida por DJ PG.[2]
  • A música “Babylon by gus” faz parte da trilha sonora do filme “trash: a esperança vem do lixo” (2014), de Stephen Daldry.

 

Disco Babylon By Guns: Ano do Macaco – Black Alien

 
Considerado um dos melhores álbuns da história do rap brasileiro, Babylon by Gus, Volume 1: O Ano do Macaco é formado por doze faixas, sendo quase todas de autoria de Black Alien e Alexandre Basa, produtor do projeto. A exceção é “América 21”, que é uma parceria entre o emcee e Rhossi.
Com a língua afiada, a escrita venenosa e uma interpretação marcante, Black Alien faz observações analíticas sobre o mundo e a sociedade. Além disso, muita espiritualidade e interação com o divino estão presentes na obra.
O título, que também batiza o primeiro single, faz referência ao clássico Babylon by Bus, de Bob Marley, lançado em 1978. O subtítulo, por sua vez, é um wordplay bastante inteligente: “macaco”, quando usado pejorativamente, é um termo de raízes racistas que designa afrodescendentes; no calendário chinês, o ano de 2004 (o mesmo do lançamento de BbG 1) foi inscrito sob a proteção do macaco, um dos animais do horóscopo local. Gustavo, um homem negro, sabia que aquele seria “seu ano”, isto é, “o ano do macaco”—simultaneamente, a ofensa virou motivo de orgulho e fez uma menção ao misticismo. Brilhante.
É notabilíssimo que, ao longo de 43 minutos, o disco não contém um único palavrão.
 

Alguns de seus sons e participações

 
Isso é tudo galera, espero que tenham gostado!
Acompanhe-nos nas nossas redes sociais:
 
 
 
Site Skate no Comando: http://skatenocomando.com
 
 
É nóis galera, aproveitem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *